Aumentar fonte:

Participação de investidoras no Tesouro Direto completa 4 anos de crescimento ininterrupto

Investidores cadastrados e ativos têm aumento recorde; número de operações de venda é o maior da série histórica

 

Base de investidores

Em janeiro, o total de investidores ativos no Tesouro Direto, isto é, aqueles que atualmente têm saldo em aplicações no programa, atingiu a marca de 845.169 pessoas. No mês, 58.851 investidores tornaram-se ativos, um crescimento de 7,48% em relação a dezembro, o mais elevado da série histórica. O número de investidores cadastrados no programa cresceu em 261.343, ou 8,39% na comparação com dezembro, também maior percentual da série histórica. Dessa forma, o total de cadastrados do Tesouro Direto atingiu a marca de 3.374.646 pessoas. Além disso, houve aumento na proporção de mulheres cadastradas no Tesouro Direto, que agora representam 29,95% do total de investidores.

Operações de investimento

No mês de janeiro, foram realizadas 470.448 operações de investimento em títulos do Tesouro Direto, o maior número mensal de operações da série histórica. O total dessas operações foi de R$ 2,82 bilhões, esse valor é o maior da série histórica ultrapassando março de 2017 (R$ 2,65 bilhões). Durante o mês, os resgates foram de R$ 2,55 bilhões, sendo R$ 1,50 bilhão em recompras e R$ 1,05 bilhão em vencimentos. Como resultado, houve venda líquida de R$ 281,55 milhões e o estoque fechou em R$ 54,92 bilhões, um crescimento de 1,27% com relação ao mês anterior (R$ 54,23 bilhões).

O título mais demandado pelos investidores foi o Tesouro Selic, predominância que ocorre desde junho de 2017. O papel representou 47,94% das vendas, com R$ 1,36 bilhão. Em seguida, as vendas de títulos remunerados por inflação (Tesouro IPCA+ e Tesouro IPCA+ com Juros Semestrais) somaram R$ 890,98 milhões e corresponderam a 31,49% do total, enquanto as de prefixados (Tesouro Prefixado e Tesouro Prefixado com Juros Semestrais), totalizaram R$ 581,85 milhões, ou 20,57%.

Nas recompras, também predominaram os títulos indexados à taxa Selic, totalizando R$ 654,06 milhões (43,71%), seguidos por títulos indexados a índices de preços (Tesouro IPCA+ e Tesouro IPCA+ com Juros Semestrais), que somaram R$ 642,75 milhões (42,95%) e R$ 199,58 milhões (13,34%) em prefixados.

Quanto ao prazo, 54,13% dos investimentos realizados no mês foram de títulos com vencimento entre 1 e 5 anos. Os investimentos em títulos com prazo entre 5 e 10 anos responderam por 30,94% do total, enquanto as aplicações em títulos com vencimentos acima de 10 anos representaram 14,93%.

Estoque

Em janeiro, os títulos remunerados por índices de preços foram os mais representativos do estoque do programa, somando R$ 31,63 bilhões, ou 57,60% do total. Na sequência, vêm os títulos indexados à taxa Selic, totalizando R$ 15,41 bilhões (28,06%), e os títulos prefixados, que somaram R$ 7,82 bilhões, com 14,23% do total.

Dessa forma, houve um aumento de 1,27% no estoque da carteira em comparação com dezembro de 2018.

Quanto à maturação, a parcela com vencimento em até 1 ano fechou o mês em R$ 9,33 bilhões, ou 17% do total. A parcela do estoque vincendo de 1 a 5 anos foi de R$ 21,34 bilhões (38,86%) e o percentual acima de 5 anos somou R$ 24,25 bilhões (44,15%).

O balanço completo do Tesouro Direto está disponível em https://www.tesouro.fazenda.gov.br/pt/balanco-e-estatisticas.