Aumentar fonte:

Brasil exercerá opção de compra do 5,875% Global 2019 no mercado externo

Em 14 de novembro de 2017, o Tesouro Nacional vai exercer a opção de compra embutida no 5,875% Global 2019, retirando integralmente do mercado o título denominado em dólares pertencente à carteira da Dívida Pública Federal Externa (DPFe). O título, emitido em 6 de janeiro de 2009, será resgatado ao preço de 104,373% do seu valor de face.
 
A emissão do 5,875% Global 2019 foi uma das colocações de título soberano brasileiro pioneiras a contar com a Make-Whole Call. A partir dela, todos os títulos da República em dólares emitidos no mercado internacional passaram a contar com essa opção, uma vez que sua inclusão não resulta em custos adicionais à emissão, além de conferir flexibilidade ao emissor para gerenciar seus passivos. Esta foi a primeira vez que a República exerceu uma Make-Whole Call, uma decisão que depende dos benefícios econômicos para o país. A Make-Whole Call é uma opçao de compra embutida nos títulos que permite ao emissor recomprá-lo em qualquer data por um preço definido pelo somatório do fluxo de pagamentos remanescentes (principal e cupons) descontados pela taxa da Treasury de referência* acrescida de 50 (cinquenta) pontos-base (bps). 
 
O valor referente ao exercício dessa opção totaliza US$ 1.710.832.000,00 (um bilhão, setecentos e dez milhões, oitocentos e trinta e dois mil dólares) em valor de face. Em valor financeiro, por sua vez, corresponde a US$ 1.818.871.278,42, sendo US$ 33.224.595,06 (trinta e três milhões, duzentos e vinte e quatro mil, quinhentos e noventa e cinco dólares e seis centavos) referentes a juros acruados.
 
A recompra de títulos emitidos há mais tempo e que já não representam adequadamente o crédito da República está em linha com as diretrizes do Plano Anual de Financiamento (PAF)**, ao minimizar eventuais distorções na curva de juros e aumentar a sua eficiência, beneficiando também as captações de empresas brasileiras no longo prazo, que passam a ter referências de preços mais adequadas. Além disso, a operação reduz de forma relevante as maturações de curto prazo da DPFe, o que minimiza o risco de financiamento.
 

*A Treasury de referência (1.125% US Treasury com vencimento em 15 de janeiro de 2019) é definida por um banco de investimentos escolhido pela República (Deutsche Bank), com um prazo de vencimento comparável à maturação do título resgatado (5.875% Global 2019 com vencimento em 15 de janeiro de 2019). Adicionalmente, a Treasury de referência também deve ser definida de acordo com as práticas costumeiras do mercado financeiro. A taxa da referida Treasury foi obtida pela média das cotações, excluindo a maior e a menor taxa, fornecidas por cinco instituições: Goldman Sachs, Merrill Lynch, Deutsche Bank, Citigroup e Morgan Stanley